ZoomTalentoImprensa

5
continentes

 

34.000
colaboradores

Investimos por princípios, convencemos pela lucratividade

Assumimos a parte que nos interessa no desenvolvimento sustentável

Trabalhamos com conhecimento e reflexão para criar debate público

M

SEGUROS | 18.02.2020

Por que subsidiar o seguro de safras?

Emma Lage

Chefe Técnica do Negócio Agropecuário da MAPFRE RE

Em geral, as pessoas que moram em cidades não têm este conceito em mente: as cidades não produzem os alimentos que seus habitantes precisam e consomem. É uma realidade inerente ao próprio conceito de cidade, que a Real Academia Espanhola define como “Um grupo de prédios e ruas, governados por uma prefeitura, cuja população densa e grande geralmente se dedica a atividades não agrícolas”. Porém, o fato de não termos esse conceito em mente não o torna menos verdadeiro: é graças às pessoas que cultivam a terra e produzem alimentos nas áreas rurais que os habitantes das cidades podem se dar ao luxo de não se preocupar com o fornecimento desses alimentos. E talvez não tenhamos os agricultores do mundo na nossa mente quando vamos ao supermercado, mas mesmo o produto mais elaborado, processado e industrial que encontramos nas prateleiras foi produzido com matérias-primas cultivadas na terra. A agricultura é a única maneira que a humanidade tem para se alimentar: as plantas cultivadas representam 80% dos alimentos que ingerimos. Existe um setor mais estratégico do que esse?

No entanto, viver da agricultura é (cada vez mais) difícil: aos riscos de mercado (quando o preço final do produto não cobre os custos de produção, por exemplo), devemos adicionar, entre outros, os riscos climáticos: granizo, geadas, secas, inundações etc. Há muitos fatores que podem comprometer a viabilidade econômica de uma exploração agrícola. Em geral, a safra representa o salário anual dos produtores e está exposta a todos os tipos de fenômenos que podem reduzi-la ou destruí-la de um dia para outro. E talvez um ano ruim não apenas comprometa a safra do momento, mas também a possibilidade de continuar plantando no ano seguinte. Apesar de todos os avanços tecnológicos, que são muitos e variados, a produção mundial de alimentos continua a depender do céu e da terra.

 

Imagen de un tractor en un campo

Para evitar o abandono da atividade agrícola e conter o êxodo rural, protegendo, assim, a agricultura nacional como um setor estratégico de produção de alimentos, muitos países apoiam seus agricultores com uma ajuda extra em tempos de crise. Porém, alguns países, como Espanha, Estados Unidos, Canadá, Turquia ou Brasil, para citar apenas alguns, estão apostando em um sistema muito mais eficiente, justo e eficaz de gerenciamento de riscos climáticos na agricultura: eles incentivam a compra de seguro de safras entre seus produtores, subsidiando uma parte do prêmio que, devido à natureza pura do risco, é alta em comparação com outros tipos de apólices.

Ao subsidiar parte do prêmio pago pelos agricultores, o estado pode prever orçamentos todos os anos com o dinheiro que será usado para sustentar o setor produtor diante dos riscos climáticos e transfere ao setor de seguros e resseguros e aos profissionais de risco, os desvios de sinistro que inevitavelmente ocorrem quando a catástrofe acontece. E todos nós, cidadãos, contribuímos para que os agricultores continuem produzindo alimentos, conservando o meio ambiente e povoando o meio rural enquanto a maioria de nós habita as cidades.