ZoomTalentoImprensa

5
continentes

 

34.000
colaboradores

Investimos por princípios, convencemos pela lucratividade

Assumimos a parte que nos interessa no desenvolvimento sustentável

Trabalhamos com conhecimento e reflexão para criar debate público

M

TRANSFORMAÇÃO | 24.06.2020

“Estamos diante de uma mudança de paradigma nos níveis individual, de equipe e de líderes”

Thumbnail user

Cristina Jardón é pedagoga e especialista em inteligência emocional, um conceito que, 35 anos após seu nascimento, para ela não tem nada soft, mas sim muita habilidade essencial. Sua “paixão”, como ela denomina, inclui mindfulness e compassion, que ela aplica às empresas líderes na Europa, treinando em capacidades emocionais em três dimensões: individual, de equipe e organizacional. A partir de um trabalho abrangente que parte da autoconsciência e melhora os relacionamentos, você pode aspirar ao topo: alcançar a realização em casa, no trabalho e na vida.
Para as empresas, o equilíbrio é positivo em termos de felicidade, ROI (Return On Investment – Retorno Sobre o Investimento), desempenho, comprometimento e liderança.

Como você definiria inteligência emocional?

Hoje falamos mais e nos últimos meses de inteligência emocional, como resultado da pandemia, mas o conceito surgiu no início do século XX. Para mim, a inteligência emocional é uma capacidade essencial de adaptabilidade, que é o que temos agora enquanto indivíduos, equipes e empresas, para sermos bons no que fazemos e no que somos. É um conjunto de competências que nos dão sabedoria interior para nos adaptarmos às circunstâncias da vida, sejam elas positivas ou não, esperadas ou não, e que nos ajudam a entender os outros e a construir algo.

Não é a parte soft (fazendo referência às soft skills, como são comumente conhecidas), mas uma capacidade essencial que gera retorno. Investir nessas competências está dando melhores resultados às organizações.

A inteligência emocional já nasce conosco ou pode ser treinada?

Nascemos com toda a estrutura neuronal ou cerebral para sermos emocionalmente inteligentes, mas é algo que precisa ser treinado porque, se não seguirmos a receita, talvez nunca desenvolvamos a inteligência emocional. Portanto, é mais do que uma habilidade, é uma capacidade. Você pode treinar, e essa é a chave, porque se pode mudar a estrutura do cérebro, comportamentos, estados emocionais, sentimentos e até pensamentos.

Como está o mundo dos líderes emocionalmente inteligentes?

A verdade é que existe um “antes” prévio à Covid-19. Nos últimos anos, as organizações passaram por uma grande mudança no processo de transformação tecnológica, na mudança dos processos e do enfoque nas pessoas.

Houve uma tendência – talvez você tenha dado mais em países com grande experiência em inteligência emocional, como os EUA (na Califórnia ou em Nova York) – em relação às pessoas da organização, que são as que mais vão falar bem da empresa e mantêm a marca. Eles já estavam mudando certas lideranças tradicionais, autoritárias e em pirâmide, que já quase não fazem qualquer sentido.

Já estávamos falando de um mundo VUCA [Volatile, Uncertain, Complex and Ambiguous (volátil, incerto, complexo e ambíguo), por sua sigla em inglês], mas março chegou [a pandemia] e chegou o maxi VUCA. Foi um revés tão grande que o que era válido até agora, em muitos casos deixou de o ser. Desde então, o líder não pode mais ficar atrás das pessoas: ou ele confia ou o trabalho não sai, é preciso flexibilizar, entender que a equipe tem dificuldades em casa…

Tudo mudou para todos nós, mas forçou os líderes a parar e ver que eles necessitam de competências que talvez não tenham treinado, como a empatia, a escuta profunda ou a liderança para gerenciar remotamente.

“É necessário poder treinar todas as equipes, funcionários e líderes, porque não sabemos o que está por vir”.

Hoje, é necessário outro tipo de liderança?

Veja, é importante frisar que o acrônimo CEO, em nosso jargão, deixou de ser Chief Executive Officer, para se tornar Chief Empathetic Officer. Veja como as coisas estão mudando. É por isso que as organizações que optaram por treinar a inteligência emocional são as que melhor se adaptam a essa grande mudança, não apenas nos processos, mas também no gerenciamento da incerteza. Essa adaptação à mudança não é dada por um aplicativo como o Teams, mas pelo treinamento de suas competências emocionais.

Existe uma lacuna entre o que o momento exige e o nível de inteligência emocional de algumas empresas?

Existe, sem dúvida. Existem organizações que treinam suas equipes há muito tempo, como a LinkedIn, a Yahoo, a Google ou a SAP, e elas não vão notar tanto. O que está acontecendo é que o líder, que até agora acreditava na importância da inteligência emocional, não tem mais dúvidas. Aquele que até agora não considerava, nem remotamente, dedicar tempo ao bem-estar emocional dos funcionários, agora não tem dúvidas, porque está se apercebendo do número de pessoas estressadas e preocupadas que ele tem do outro lado da tela. E atividades estão crescendo para promover a regulamentação de tudo isso.

O mesmo aconteceu com o teletrabalho. Havia organizações preparadas e outras que foram pegas de surpresa, mas tiveram que fazer isso. É preciso pensar em tudo isso, porque é necessário poder treinar todas as equipes, funcionários e líderes, porque não sabemos o que está por vir. Ninguém sabe como será o próximo ano. Como nos preparamos emocionalmente para o que vem pela frente? Nos treinando em inteligência emocional.

Que caminho seguem as organizações mais bem preparadas?

Há muitas que têm maneiras de atuar diferentes, mas o importante é ligar todas elas sob um guarda-chuva completo de Inteligência Emocional, que reúne as dimensões individual, coletiva e organizacional, alcançando, se necessário, uma mudança de cultura. Acolher um programa com objetivos, linhas de trabalho, conteúdos, despesas e consistente com tudo, que não se limite a um dia, uma semana ou a um evento pontual.

As empresas estão obtendo inteligência emocional por meio da Covid-19?

Existem muitas organizações que, como resultado da pandemia, estão mudando. Ou elas não podem ou não querem continuar na mesma linha e precisam se reinventar. Essas organizações entram em um novo paradigma e precisam buscar valores ou cultura para obter uma mudança de modelo. Muitas delas começam a integrar inteligência emocional. Para isso, você pode começar com mindfulness, embora, na minha opinião, tenhamos que ir para uma gama maior de competências, com ferramentas para lidar com conversas difíceis, comunicação não violenta, ferramentas de equipes afetivas, compaixão e outras.

Como fazem os países como os EUA, com uma costa oeste cheia de inovação, ou a Alemanha?

Com um pontapé de saída, com programas de inteligência emocional, como por exemplo, o Search Inside Yourself (vem do Google e estamos treinando isso na Espanha), que prepara você para entender o conceito de inteligência emocional e aplicá-lo no dia a dia, não apenas para ter uma melhor liderança, mas também um melhor desempenho e bem-estar no trabalho, e implementando um fio condutor que permita à organização ser certificada como emocionalmente inteligente. Porque você terá menos perdas de emprego, um melhor desempenho e nível de engagement e uma melhor liderança. É um mapa novo que toca as dimensões individual, de equipe e organizacional.

“Em um ambiente corporativo, a inteligência emocional melhora o ROI”.

Que outras vantagens a inteligência emocional oferece?

Em um ambiente corporativo, a inteligência emocional melhora o ROI, de acordo com vários estudos, que apontam, por exemplo, para um impacto positivo de 37% nas vendas e 21% na produtividade (de acordo com a Gallup), e até 300% em inovação! Mas existem vários outros benefícios da inteligência emocional na adaptabilidade, menos exposição a incidentes e, é claro, ao desgaste mental e emocional das pessoas. Eu acho que existe um movimento para levar mais em consideração o funcionário e perceber que não apenas a parte racional é importante, os números, mas que o cérebro emocional está em nosso trabalho, no que fazemos todos os dias. Não tínhamos prestado atenção a essa parte emocional e a Covid mostrou que é muito importante, porque as equipes que a souberam gerenciar estão fornecendo números estupendos. A inteligência emocional, sem dúvida, nos conecta à nossa própria autenticidade e à dos outros.

A escada de competências que nos permite obter inteligência emocional

Cristina Jardón explica que, enquanto habilidade treinável, a inteligência emocional é composta por várias competências que podem ser desenvolvidas:

  1. A tomada de consciência. É o mais importante, está na base da pirâmide e na abertura do desenvolvimento da inteligência emocional, saindo do piloto automático para observar. Sem essa competência, não se podem desenvolver as seguintes.
  2. O autoconhecimento. A sabedoria para entender quem realmente sou e quais são minhas emoções e meus recursos internos, que pensamentos acompanham minhas emoções e em que momento da vida estou, ouvindo minhas intuições.
  3. A autorregulação. Regular tudo o que acontece comigo: tristeza, medo, ansiedade ou frustração, usando ferramentas como a mindfulness e outras. A aceitação desempenha um papel importante.
  4. A motivação interna. Quais são os meus motores de vida, meus valores e como os manifesto no meu dia a dia; isso é muito interessante para qualquer organização.
    Chegados aqui, uma pessoa despertou sua sabedoria interior (inner wisdom).
  5. Inteligência interpessoal, com empatia, liderança e compaixão. Essa habilidade cria equipes e permite o estabelecimento de relacionamentos com base no serviço, na amabilidade, na colaboração. Está ocorrendo cada vez mais treinamento nas organizações.
  6. Habilidades de bem-estar. Quando tenho todas as opções acima, consigo viver em um estado de alegria, no flow, sendo a situação da vida agradável ou não, como a Covid-19. Essa habilidade permite que você encontre coisas boas numa situação difícil. Aqui trabalhamos com resiliência, otimismo, gratidão e satisfação. Essas habilidades são de ordem superior, ativam emoções elevadas e aumentam os níveis de energia, nos transportam para um estado de espírito feliz no trabalho e em casa. Trata-se de descobrir que em todo gesto simples há algo para mim, há aprendizado.