ZoomTalentoImprensa

5
continentes

 

34.000
colaboradores

Investimos por princípios, convencemos pela lucratividade

Assumimos a parte que nos interessa no desenvolvimento sustentável

Trabalhamos com conhecimento e reflexão para criar debate público

M

CULTURA | 17.04.2020

Visitar museus nos tempos de COVID-19

Thumbnail user
Ninguém poderia imaginar que iríamos viver uma época de grandes perdas por causa do que, no início, nos parecia uma epidemia distante. O coronavírus chegou, e ainda não sabemos até quando. A principal perda, lamentavelmente, são as vidas interrompidas. Em segundo lugar, tivemos de renunciar à nossa liberdade de movimentos, de entrar e sair quando desejamos, e, no fim das contas, as férias se transformaram em um sonho.

Em momentos como esse, em que um dos debates gira em torno de quais são as atividades essenciais, a cultura parece estar relegada a uma das últimas posições. Entretanto, está ficando cada vez mais evidente que ela é um dos maiores apoios aos quais nós nos agarramos nessas circunstâncias. Ler ou curtir entre a variada produção audiovisual está na ordem do dia, contudo, infelizmente, o turismo cultural está muito fora do nosso alcance. Já não podemos mais visitar cidades e lugares turísticos, nem aproveitar peças de teatro ou um dia no museu. Ou será que podemos?

Estamos reinventando nossa relação com a cultura

Não podemos viajar fisicamente, mas nossas redes sociais estão repletas de lembranças. Durante a semana da Páscoa, pudemos ver por meio de fotografias e vídeos como nossos amigos e familiares celebraram a data no ano passado, quando tudo era muito diferente. Por sua vez, as instituições, diante do fechamento dos espaços culturais, estão se dedicando para reforçar sua presença na internet. Os sites de museus e monumentos estão incluindo (quando já não tinham) ferramentas para realizar visitas virtuais, pois isso cria um conteúdo de interesse nas redes sociais.

As crianças são as que mais precisam de acesso à cultura

As crianças menores foram subitamente privadas de suas aulas normais – que estão sendo substituídas, com grande esforço da parte dos professores, por atividades on-line – e também das atividades ou visitas culturais programadas por suas escolas. Por esse motivo, iniciativas como a lançada pelo canal do Museu do Prado no YouTube são especialmente importantes: guias em áudio para crianças em que os personagens das pinturas da principal galeria de arte espanhola explicam detalhes das obras de arte para as crianças.

Cabe destacar também uma iniciativa lançada pela Fundación MAPFRE, que não deseja que as crianças simplesmente desempenhem um papel passivo, por isso organizou competições interessantes como o #DesenhaMiró, em que crianças de até 10 anos enviam para a conta do Instagram de cultura da Fundación seus desenhos inspirados nos quadros do pintor catalão.

Indo aos museus e monumentos com um clique

Não deu tempo de visitar a Sagrada Família quando esteve em Barcelona? Agora você pode fazer uma visita virtual tanto do exterior quanto do interior no site oficial da basílica. No mesmo site também é possível acessar a Casa Museo de Gaudí. No site oficial de outro monumentos internacionalmente conhecido, a Alhambra de Granada, também há a sugestão de um tour de fotos em 3D. O Museu do Prado, além das atividades mencionadas para crianças, também tem no site uma galeria virtual com muitos de seus quadros mais importantes. O Museu Picasso de Málaga também tem propostas culturais e mantém uma atividade bastante interessante nas redes sociais.

Além dessas opções, que, devido à sua importância, foram as primeiras que passaram pela cabeça de uma mente inquieta, há muitas outras. Este artigo do La cultura social nos conta algumas opções oferecidas por museus e que são um pouco menos conhecidas pelo público em geral, mas não menos interessantes. O Museu de Belas Artes de Sevilha, o Museu Arellano Alonso de Arte Africana em Valladolid, o Museu Cerralbo em Madri, a Torre de Hércules em A Corunha ou o Museu da Música de Barcelona são somente algumas das propostas.

Prefere a natureza? Talvez você goste de um passeio pelas paisagens do último trecho do Caminho de Santiago. No Google Street View, há uma grande variedade de opções para explorar. Você pode começar com as Médulas ou as Bardenas Reales. É a experiência que mais se aproxima à visita física dos lugares, mas sem sair do sofá.

Vamos viajar, pegue seu passaporte!

Se falamos de arte e história, não podíamos deixar de fora uma referência à arte e cultura egípcias. Acontece que no Egito eles estavam envolvidos na construção do novo e novo Grande Museu do Egito quando o coronavírus apareceu. Evidentemente, a inauguração foi adiada na espera de dias melhores e, por enquanto, teremos de nos contentar com suas visitas virtuais pelo YouTube.

O site do Ministério do Turismo e Antiguidade do Egito está trabalhando para aumentar gradualmente sua oferta de passeios virtuais, por meio de uma iniciativa intitulada “Experimente o Egito em casa. Stay home. Stay safe”.

Passamos agora para os Estados Unidos. Se tem algo de que eles tem muito orgulho naquele país é dos parques nacionais. São 59 no total, alguns de grande extensão, e é possível aproveitar todos os tipos de paisagens. Graças a uma colaboração com o programa Google Arts & Culture, podemos visitar virtualmente cinco, entre eles: o Hawai’i Volcanoes National Park, ou o Bryce Canyon National Park, em Utah, com uma vista panorâmica de 360 graus a partir da mão de um guarda como guia.

Na verdade, se você pesquisar bem, poderá descobrir que há visita on-line de praticamente todos os museus ou monumentos importantes em todo o mundo, desde a Grande Muralha da China até o Museu Britânico. Neste artigo da National Geographic, há a sugestão de uma visita virtual a dezenas de museus em todo o mundo.

E aqui termina nossa breve viagem virtual. Foram muitas as portas que abrimos. Agora somente resta ao leitor incluir as que também quiser incluir e traçar seu próprio caminho cultural. Se você tempo livre, como é o caso de idosos, crianças e adolescentes, esta é uma excelente forma de investir o tempo de confinamento. Você tem que ficar em casa, sim, mas as opções culturais são múltiplas.