ZoomTalentoImprensa

5
continentes

 

34.000
colaboradores

Investimos por princípios, convencemos pela lucratividade

Assumimos a parte que nos interessa no desenvolvimento sustentável

Trabalhamos com conhecimento e reflexão para criar debate público

M

SUSTENTABILIDADE | 05.06.2020

“Proteger a natureza é o melhor antivírus para combater qualquer pandemia”

Thumbnail user
Luis Suárez é o coordenador de conservação da WWF ESPAÑA, uma das principais ONGs ambientais do país e com a qual a MAPFRE colabora desde 2015, como parte de nosso compromisso com a sustentabilidade e com a conservação da biodiversidade.

O biólogo galego de 51 anos, especializado em zoologia, está convencido de que a perda de biodiversidade nos torna mais vulneráveis a doenças, incêndios florestais, enchentes e pragas. Ele garante que só temos até 2030 para promover mudanças fundamentais. Entre eles, reduzir o consumo, escolher bem os alimentos que compramos e mudar a maneira como nos movemos. Tudo para diminuir nosso impacto.

Ele reconhece que viveu nos últimos meses com a impressão de viver em uma bolha e com um enorme senso de gratidão por todos aqueles que estiveram na linha de frente da luta contra a pandemia. Também com a obrigação de adiar projetos pessoais e profissionais e aprender a tomar decisões de curto prazo. Sua principal ocupação agora é dar voz ao “Lucha por tu naturaleza” (“Luta pela sua natureza”, em tradução livre), um projeto que explica a relação entre perda de biodiversidade e pandemias, e que se concentra em transformar a recuperação econômica e os investimentos em uma oportunidade de mudar de rumo e abordar a crise ambiental.

O que reivindicam em um dia tão marcado para vocês? (Dia Mundial do Meio Ambiente)

Hoje queremos lembrar que a natureza nos protege, que é o melhor antivírus que temos contra qualquer pandemia e que é necessário trabalhar para conservá-la, a fim de garantir nosso futuro como espécie neste planeta. É importante lembrar que a natureza está mais ameaçada do que nunca e que esta década que começamos, de 2020 a 2030, é a última oportunidade que temos para tomar decisões e contribuir para reverter a tendência negativa.

Eles acabaram de apresentar os resultados de um relatório que aponta que as mudanças climáticas e a perda de biodiversidade favorecem doenças. Qual é a relação entre as pandemias e a destruição da natureza?

A natureza está cheia de vírus que nem conhecemos. De fato, existem cerca de cinco mil catalogados, mas estima-se que possa haver entre 1,5 e 2 milhões de vírus. Sob condições naturais, esses vírus coexistem com várias espécies e as interações existentes em um ecossistema saudável diluem seu potencial efeito negativo. Considere, por exemplo, a relação predador-presa. Um animal doente é rapidamente atacado por seu predador, impedindo a propagação de doenças e nunca interagindo conosco. Quando destruímos a natureza, alteramos o equilíbrio dos ecossistemas e facilitamos que vírus e outros agentes patogênicos cheguem aos seres humanos. Se também entrarmos nesses ecossistemas e capturarmos animais selvagens e transportá-los milhares de quilômetros para vendê-los em mercados, em que animais de diferentes tipos se misturam com seres humanos, estamos criando a cultura perfeita para a transmissão de doenças.

Também é importante destacar que a intensificação da agricultura e da pecuária (devido ao seu efeito destrutivo sobre os ecossistemas e a intensificação das fazendas) e as mudanças climáticas, que facilitam a expansão de vetores de doenças como determinados mosquitos, também contribuem para a expansão de doenças. Estamos eliminando nosso antivírus mais eficaz, a natureza, e criando as condições perfeitas para que novas doenças cheguem aos seres humanos.

 

“Quando destruímos florestas, capturamos animais silvestres e transportamos milhares de quilômetros para vendê-los em mercados, estamos criando a cultura perfeita para a transmissão de doenças”

Que medidas vocês propõem para prevenir e combater futuras pandemias?

Acreditamos que devemos frear a destruição da natureza e, nesse sentido, estabelecemos três objetivos principais que gostaríamos de alcançar antes de 2030. O primeiro deles concentra-se em paralisar a destruição de habitats, deter a perda de espécies e reduzir pela metade o nosso impacto ambiental. Tudo isso exige uma mudança profunda no modelo atual e o estabelecimento de políticas para combater as mudanças climáticas, e a perda de biodiversidade como prioridade e como eixos das políticas do Estado. Existem também outros desafios, como impedir a destruição de florestas, evitar o desmatamento e mudar o modelo agrário e pecuário, bem como impedir a extinção de espécies, enfrentando suas ameaças, conter o tráfico de espécies e fechar mercados e pontos de venda e, é claro, lutando contra as mudanças climáticas por meio de uma transição energética justa.

O tráfico de espécies é precisamente um dos tópicos nos quais sua organização se concentra. Defendem que é uma das causas que expõe o ser humano a contrair novas doenças. Como esse contágio ocorre?

De fato, o tráfico de espécies é uma das maiores ameaças à conservação de espécies em todo o mundo, o que também representa um sério risco à saúde. Ao capturar um animal selvagem, transportá-lo centenas ou milhares de quilômetros em más condições e vendê-lo em um mercado, em que ele pode entrar em contato com outros animais domésticos e selvagens (vivos ou mortos) e com milhares de seres humanos, estamos facilitando o salto dos vírus de uma espécie para outra, até que, finalmente, chegue ao ser humano. Foi o caso, entre outras doenças, da SARS (Síndrome Respiratória Aguda Grave) causada pelo coronavírus SARS-CoV, que se originou em um morcego e foi transmitido ao civeta de palmeira (um pequeno carnívoro) e daí para o ser humano. O SARS-CoV-2, que causa a COVID-19, provavelmente seguiu um caminho semelhante no mercado da cidade de Wuhan, no centro da China, embora, por enquanto, não se saiba quais espécies possam ter interferido. Por esse motivo, acreditamos que é essencial fechar os mercados onde as espécies capturadas ilegalmente são vendidas.

Como você definiria o termo biodiversidade de maneira simples?

Biodiversidade é o conjunto das diferentes formas de vida que habitam a Terra (incluindo sua diversidade de genes) e a maneira como elas se relacionam.

O que fomenta a perda de biodiversidade em nosso planeta?

Sabemos que há cinco grandes ameaças. Isso inclui a destruição de habitats, por superexploração ou transformação; a perseguição e exploração excessiva de espécies devido à caça, pesca, caça furtiva ou tráfico; e a contaminação por derramamentos, uso de pesticidas e herbicidas, e outros tóxicos. Também encontramos a introdução de espécies exóticas invasoras, que têm um efeito muito negativo em determinados ambientes muito sensíveis, como as ilhas; e claramente, com as mudanças climáticas, que têm efeitos diretos, com o aumento de temperaturas e as mudanças nas condições ambientais, como indiretos, ampliando certos impactos, como no caso de incêndios. Por trás de todas essas ameaças, há o ser humano e mais três elementos de destruição, que segundo especialistas se destacam acima do resto: a agricultura, a caça e a pesca.

 

“Esta década é a última chance que temos para reverter a tendência negativa”

 

Se não preservarmos a biodiversidade, o que pode estar em risco?

O que pode acontecer é que colocaremos nosso próprio futuro como espécie em risco. A extinção faz com que a capacidade dos ecossistemas de fornecer bens e serviços seja seriamente ameaçada, comprometendo funções vitais como polinização, dispersão de sementes, obtenção de matérias-primas, alimentos, produtos farmacêuticos e regulação de pragas, entre outras. Resumindo, a perda de biodiversidade nos torna mais vulneráveis a incêndios florestais, enchentes, pragas e doenças conhecidas, como a dengue ou a malária, ou novas doenças, como a COVID-19. Quem está em perigo é nossa própria espécie. Se não pararmos as mudanças climáticas e a extinção de espécies, a Terra mudará e não saberemos se os novos ambientes serão tão favoráveis para nós.

Você acha que é necessário mudar a mentalidade de muitas pessoas que não consideram o desaparecimento de plantas e animais uma perda? O que você considera que pode ser feito sobre isso?

Sem dúvida, devemos continuar explicando a relação que existe entre o ser humano e o resto dos seres vivos e a dependência que temos com a natureza. Não podemos esquecer que fazemos parte da natureza e, embora vivamos em ambientes urbanos, precisamos de ecossistemas saudáveis para sobreviver. Com o modelo atual é impossível. Quando cientistas e conservacionistas começaram a falar sobre mudanças climáticas décadas atrás, eles foram tachados de alarmistas. Hoje já sofremos os efeitos e impactos dessa mudança e quase ninguém a discute. Mas as temperaturas do planeta continuam a subir, as espécies e os ecossistemas continuam a desaparecer e as consequências serão dramáticas se não fizermos algo. Temos que promover uma mudança de modelo, mas também devemos estar cientes de que essa mudança começa por nós mesmos e que as decisões que tomamos todos os dias importam muito, porque com elas podemos mudar o equilíbrio. Reduzir nosso consumo, escolher bem quais alimentos compramos, mudar nosso meio de transporte, enfim, diminuir nosso impacto. São passos fundamentais.

O que está sendo pedido aos governos do mundo para promover uma mudança nas políticas e na maneira como vivemos?

Pedimos a eles que se juntem ao que chamamos de “Novo acordo para a natureza e as pessoas” e promovam outro modelo, que permita dar maior destaque à luta contra a emergência climática e ambiental, que faça parte da agenda política. Acreditamos que devemos promover uma transição energética que nos permita deixar para trás combustíveis fósseis, mudar radicalmente o modelo de produção e consumo de alimentos para reduzir seu impacto, suspender as atividades que envolvem a destruição de recursos naturais e começar a investir maciçamente em conservação e restauração de ecossistemas naturais.

 

EM POUCAS PALAVRAS:

  • Ativismo: compromisso, luta
  • Saúde: vida
  • Desmatamento: destruição
  • COVID-19: dor
  • Aquecimento global: desafio
  • Pesticidas: ameaça silenciosa
  • Não há planeta B: grande verdade
  • Jovens: futuro

 

Luis Suárez Arangüena nasceu dia 3 de julho de 1969 na Corunha. É formado em Ciências Biológicas e especializado em Zoologia pela Universidade Complutense de Madri. Desde 2003, ele ocupa o posto de responsável pelo Programa de Espécies da WWF España, o que lhe permite coordenar os projetos de conservação de espécies ameaçadas de extinção, a luta contra suas principais ameaças e a proteção e a restauração de seu habitat. Desde novembro de 2019, ocupa o cargo de coordenador do departamento de Conservação da WWF España, cujas principais funções são apoiar a direção do departamento, promover e coordenar ações políticas e coordenar com o departamento de Comunicação as principais campanhas realizadas pela WWF.

Fotos: WWF España.