ZoomTalentoImprensa

5
continentes

 

34.000
colaboradores

Investimos por princípios, convencemos pela lucratividade

Assumimos a parte que nos interessa no desenvolvimento sustentável

Trabalhamos com conhecimento e reflexão para criar debate público

M

TRANSFORMAÇÃO| 20.05.2020

O futuro imediato de hotéis e restaurantes: adaptar-se ou falir

Thumbnail user
Enquanto a vacina contra o coronavírus não chega, o setor de hotelaria e restauração, um dos mais atingidos pela pandemia, precisa se adaptar para evitar o contágio de clientes e funcionários. As chaves para isso? A introdução de medidas de segurança em saúde e higiene e a redução da capacidade para garantir o distanciamento social. Neste plano de choque para restaurantes e hotéis, a tecnologia pode ajudar bastante, tanto para evitar contatos quanto para gerenciar e analisar a situação. A digitalização é imposta como uma maneira de implementar os novos protocolos.

Evite propagação com cartões digitais e check-in automático

Nesse futuro imediato que se aproxima, ganhar a confiança dos consumidores é uma obrigação. Transmitir um sentimento saudável é o primeiro passo para fazer isso em qualquer estabelecimento. Assim, alguns optam por soluções higiênicas, como a possibilidade de consultar o cardápio sem tocá-lo: basta digitalizar um código QR com seu celular e, instantaneamente, todos os pratos com fotos e todas as informações são exibidas. Os aplicativos mais avançados ainda permitem fazer pedidos diretamente, sem a necessidade do garçom se aproximar.

Diante desse novo cenário pós-confinamento, os hóspedes do hotel poderiam realizar o processo de check-in e check-out sem a necessidade de parar na recepção. Todo o processo de registro seria realizado por meio de um aplicativo no telefone ou também por uma máquina ou quiosque que facilitaria não apenas a verificação dos dados, mas também o pagamento com cartão de crédito e até a entrega da chave (ou cartão).

Outra medida possível para impedir a propagação do vírus nos restaurantes é medir a temperatura na entrada, embora a febre nem sempre apareça como sintoma nos infectados. Obviamente, esta ação deve estar em conformidade com os regulamentos de proteção de dados pessoais. Para aplicá-la, existem simples termômetros digitais infravermelhos manuais e máquinas sofisticadas, baseadas em câmeras térmicas, capazes de medir a alguns metros de distância.

Protocolos abrangentes e contínuos de limpeza e desinfecção

Além de garantir o distanciamento social (de pelo menos 1,5 metro), mesmo com a ajuda de divisórias, os estabelecimentos serão obrigados a realizar processos de saneamento com limpeza e desinfecção completa antes da abertura e depois repeti-los frequentemente (mais de uma vez ao dia). Os clientes receberão géis desinfetantes na entrada e saída de banheiros. O pessoal, protegido por máscaras, lavará continuamente as mãos, usando luvas ou não, e não poderá sair com roupas de trabalho.

“Para a desinfecção das superfícies de contato humano (interruptores, botões, telefones, maçanetas etc.) de todos os testes realizados, o mais eficaz foi a limpeza com água ionizada que, como indicado, esteriliza quimicamente sem deixar biofilmes”, explica o Instituto Técnico de Limpeza Espanhol (Itel) em seu site.

Novas fórmulas para obter mais renda

Nesta reinvenção, as empresas de hotelaria devem considerar novas estratégias para mitigar a perda de clientes e da renda. Entre elas, os pedidos com entrega a domicílio e a comida para levar estão se consolidando como uma alternativa, segundo as conclusões da oficina on-line “Inovação em restaurantes em plena crise da COVID-19”, realizado pelo Culinary Action, o programa de empreendedores gastronômicos do centro de treinamento Basque Culinary Center.

“A eficiência da gestão se torna ainda mais uma prioridade. Trata-se de conseguir manter negócios que pararam de gerar receita ou sofrerão uma queda acentuada na rotatividade, procurando novas formas de gerar receita, sem incorrer em investimentos adicionais ou novas despesas. Além do uso de tecnologia para o design das plataformas de entrega e para viagem, há uma oportunidade de melhorar a gestão interna por meio da gestão de dados ou big data“, concluem os especialistas da oficina on-line.

Finalmente, a digitalização, os processos de higienização e a revisão do modelo de negócios abrem o caminho para a sobrevivência desses setores até que tudo volte ao normal. Por que isso chegará, sem dúvidas, ainda que a COVID-19, de uma forma ou de outra, deixará sua marca para sempre.