ZoomTalentoImprensa

5
continentes

 

34.000
colaboradores

Investimos por princípios, convencemos pela lucratividade

Assumimos a parte que nos interessa no desenvolvimento sustentável

Trabalhamos com conhecimento e reflexão para criar debate público

M

CORPORATIVO | 13.04.2020

Equilíbrio ou equilibrismo? O desafio de garantir uma educação integral em um contexto de pandemia

Thumbnail user

O avanço da COVID-19 forçou a maioria dos governos em todo o mundo a fechar as escolas como medida de contenção do contágio. Mais de um bilhão de alunos e jovens em todo o planeta foram afetados pela interrupção de aulas em escolas e universidades, de acordo com a UNESCO, que estima que 91,3% da população estudantil mundial foi afetada com as medidas. Na América Latina, de acordo com os dados da UNICEF, o percentual aumenta para 95%.

Diante da maior paralisia educacional de que nos recordamos, muitos países implementaram opções virtuais de aprendizagem incluindo cursos on-line em plataformas educacionais habilitadas. Entretanto, nem todas as soluções garantem o acesso real das crianças ao conhecimento, porque o nível de implementação das novas tecnologias, os recursos das famílias e a adaptação digital das próprias crianças não são iguais em todo o mundo.

Para todos os cidadãos, a COVID-19 revelou cenários que nos tornam vulneráveis – crise na saúde, contágio econômico, perda de empregos, distanciamento social, entre outros – especialmente para os menos favorecidos, que já se encontravam em uma situação de fragilidade.

Para os adultos, há um aumento não somente na percepção de risco, mas também na sobrecarga de responsabilidades. As famílias têm agora o dever não somente de continuar a proteger e educar seus filhos, mas de proporcionar a eles uma formação escolar e acadêmica interrompida pelo contexto, utilizando, na melhor das hipóteses, as novas tecnologias. Além disso, eles devem garantir seu bem-estar, proporcionando-lhes um tempo “livre” dedicado ao lazer dentro de casa, mas que não tenha uma característica de confinamento, e que proporcione um desligamento total.

Além das tarefas e compromissos de conciliação com casa e trabalho, também espera-se que os adultos sejam capazes de proporcionar aos filhos uma explicação adequada para a situação em um contexto tão incomum e imprevisto.

Trata-se de transmitir equilíbrio e entusiasmo às crianças, e de aproveitar a extraordinária oportunidade para compartilhar mais situações cotidianas, promovendo o desenvolvimento e a paciência, mesmo que isso seja um verdadeiro exercício de equilíbrio.

Para Eva Rodríguez, diretora de diversidade, saúde e bem-estar da MAPFRE, esse momento envolve riscos, mas também oportunidades. Após a crise, ele acredita que, em grande parte, “as crianças terão melhorado sua autonomia e responsabilidade” em relação às suas tarefas, e a implementação de novas tecnologias em um dos aspectos da vidas em que ela ainda não estava realmente presente: o ambiente escolar, até então majoritariamente presencial na maioria dos países.

Ela cria, acrescenta Eva Rodríguez, “uma oportunidade para fortalecer os laços afetivos, embora exista um risco de estresse para os pais caso a demanda das escolas seja exagerada, ou se sua formação não for suficiente para solucionar as dúvidas dos filhos”.

Os principais riscos, ele prevê, são “a possível perda da rotinas e a possibilidade de não atingir todos os objetivos acadêmicos” dos alunos durante esse momento. No caso de famílias com menos recursos, ela alerta para o perigo de que não disponham de equipamentos de informática para todos os membros da família.

O que estamos aprendendo com tudo isso? Que a saúde e os afetos são essenciais na vida; que a satisfação é maior quanto maior é o esforço para lidar com situações extremas; e que as crianças merecem os maiores sacrifícios. Que não estamos sozinhos e que tudo é realizado melhor com humor e espírito positivo; que podemos ser flexíveis sem comprometer a ordem e as rotinas; e que não temos todas as respostas para tudo.

“Um defensor do futuro”

Javier Urra, doutor em filosofia e doutor em ciências da saúde, explica que as crianças, por causa de sua capacidade de adaptação, sua orientação focada no presente e no dia a dia, são “as que menos correm risco no momento” e descarta que um confinamento com menos de um ano de duração possa deixar consequências neurológicas. Enfatiza a importância de “respeitar a criança”, respondendo as suas perguntas e transmitindo mensagens de segurança e proteção.

“Trata-se de um momento único para nos conhecermos melhor e educarmos”, ele insiste, compartilhando e discutindo temas sobre a atualidade, inclusive sobre a COVID-19 com crianças partir dos 7 anos – ele não recomenda fazer isso antes – falando sobre o trabalho de heróis sociais (médicos, agricultores, funcionários dos supermercados etc.) e ajudando-as a cultivar o autocontrole.

O defensor das crianças avisa que o pior virá com a crise econômica, e que será necessário que aqueles que percam um ente querido tenham um período de luto, mesmo que isso ocorra somente mais tarde e/ou que seja simbólico, para se despedir.

Ao refletir sobre o que mais poderá ajudar as novas gerações, ele menciona a criação do “defensor do futuro”, alguém com capacidade e entusiasmo, que esteja em contato com os jovens, e que possa zelar pela preservação das cidades, do meio ambiente, do direito à privacidade e da deontologia.

Aprender em casa… aproveitando

Enfrentar a quarentena com otimismo é a recomendação unânime das organizações e entidades internacionais destinadas à proteção das crianças em todo o mundo. As Nações Unidas implantaram a Coalizão Global pela Educação, promovendo a colaboração de suas diferentes agências com as gigantes da tecnologia, como Google, Facebook e Amazon.

Por meio do programa Memória do Mundo, a Unesco está apoiando todos os Estados Membros e instituições de memória em seus esforços para preservar e garantir o acesso público a registros oficiais relacionados à COVID-19.

Por sua vez, a UNICEF concentrou-se na saúde mental dos mais jovens durante o coronavírus e acaba de lançar um webinar em colaboração com a OMS sobre este tópico. A agência incentiva a troca de ilustrações, desenhos e conteúdo artístico de sua comunidade, Voices of Youth, para se adaptar ao confinamento.

Com suas atividades, museus, bibliotecas, editoriais e entidades refletem que o conhecimento não tem limites, e que compartilhar o potencial científico, educativo e artístico aumentará nossa resistência global diante da pandemia.

Organizações sem fins lucrativos de prestígio em todo o mundo, como a Fundación MAPFRE, redobraram seus esforços para ajudar e, nesse contexto, difundir cultura e diversão para as crianças. O concurso #DibujaMiró (“Desenhe o Miró”, em tradução libre) é um concurso de ilustração inspirado no trabalho do artista espanhol Joan Miró e que testará a criatividade, oferecendo um prêmio on-line e a publicação do projeto vencedor.

A entidade também trabalha para melhorar a situação de famílias com menos recursos, principalmente em termos de alimentação e apoio escolar. O programa Sé Solidario contempla uma ação de microajuda (de até 2 mil euros cada), que beneficia pequenas entidades sociais em toda a Espanha. Uma vez normalizado o estado de emergência, destinará 200 mil euros para uma campanha solidária que fornecerá material escolar para alunos em risco de exclusão no início do novo ano escolar.