Madrid 1,76 EUR -0,07 (-3,83 %)
ZoomTalento Prensa

5
continentes

 

34.000
colaboradores

Assumimos a parte que nos interessa no desenvolvimento sustentável

Trabalhamos com conhecimento e reflexão para criar debate público

M

TRANSFORMAÇÃO| 17.05.2021

Apostando nos idosos após a pandemia: Da crise às oportunidades da longevidade

Thumbnail user

Os avanços na saúde e a redução da mortalidade infantil levaram à expectativa de vida média mundial de 56 a 72 anos em apenas meio século. A Espanha, atualmente em segundo lugar como país com maior expectativa de vida do mundo atrás do Japão, está no caminho certo para liderar o ranking em 2040, e já tem mais pessoas com mais de 65 anos do que de 15.

“Falamos de envelhecimento, mas podemos falar de rejuvenescimento”, disse Juan Fernández Palacios recentemente em um seminário on-line por ocasião da apresentação do Centro de Pesquisa Ageingnomics (CIA) Fundación MAPFRE, liderado por ele, juntamente com a Universidade de San Andrés, na Argentina.

 

Fomos em busca da sua visão de especialista, junto com a de Juan Martín, responsável pelo Centro Internacional sobre o Envelhecimento (CENIE), sobre a mudança de atitude necessária para dar respostas ao que espera e contribui para esta população silver, em cujas mãos está a maior parte dos rendimentos e da poupança, ativa, preparada, tecnológica e que garante o consumo em tempos incertos. E que, no entanto, passa de um dia para o outro, ao atingir a idade “oficial” de aposentadoria, a ter suas possibilidade de trabalhar limitadas, de receber o reconhecimento que merece e de continuar contribuindo para uma sociedade mais diversificada, mas empenhada em colocar o foco do investimento nos mais jovens.

Fernández Palacios, que antes de assumir a diretoria da CIA, foi diretor executivo e vice-presidente da MAPFRE Vida, deseja um mundo em que os mais idosos tenham “o respeito e o protagonismo que merecem e necessários para a sociedade, como um grupo ativo e participativo na economia e no voluntariado, e com uma atitude de aproveitar esse presente de uma vida mais longa e saudável.

 

Idosos, um pilar de crescimento econômico 

Para Juan Martín, principal responsável pelo Centro Internacional de Envelhecimento (CENIE), a longevidade deve ser um dos eixos preferenciais para o modelo de crescimento econômico. “A Espanha pode se tornar uma referência mundial, fazendo disso um objetivo prioritário e indispensável”, explica, porque conta com um clima invejável, variedade cultural e de paisagens, um modelo de relação e convivência aberto, dinâmico, acolhedor, vitalista e muito atrativo.

“Poucas causas serão tão benéficas no âmbito social”, diz ele. “E quase nenhuma pode ser comparada em termos de geração de emprego, novas profissões e benefícios baseados em uma melhor capacitação e excelência, pilares de um setor econômico emergente com grande impacto futuro”, acrescenta.

Imagen tomada en el CENIE durante el ciclo Conversaciones en Salamanca: Comprendiendo el envejecimiento

Como confirma o Indicador de Consumo Sênior da CIA da Fundación, a longevidade abre oportunidades, tanto pelo lado da oferta quanto pela procura, graças às características dos idosos, tal como Fernández Palacios enumera: sua capacidade criativa, produtiva e inovadora; seu conhecimento e experiência; por ser um ativo para as empresas e uma fonte de empreendedorismo, e por sua capacidade de consumo de bens e serviços.

Os dados confirmam: cerca de 55% reside em lares onde pelo menos duas pessoas contribuem com renda mensal, cerca de 90% tem moradia própria; cerca de 56% tem a capacidade de poupança e são um verdadeiro motor turístico, pilar de crescimento e que, com o tempo, voltará ao normal.

Quanto às futuras pautas, o indicador reflete que, quando a pandemia acabar, além de alimentos e bebidas, em lazer, viagens e turismo, o consumo em saúde aumentará, um dado que Fernández Palacios acredita “refletir o desejo de aproveitar e recuperar o tempo perdido, em uma nova atitude positiva deste segmento da população”.

A pandemia, um choque positivo?

Segundo Fernández Palacios, a COVID-19 destacou as “enormes deficiências” do nosso sistema de cuidados com os idosos em muitos outros países; e evidenciou a necessidade urgente de reformulação desse sistema, “em busca de justiça para nossos pais e avós, e pela responsabilidade conosco, porque todos estamos fadados a passar por essa situação”. Nada deve gerar mais unanimidade que o apoio à construção de um sistema que seja respeitoso com sua dignidade e, ao mesmo tempo, eficiente, seguro e de qualidade. Abre-se uma gama de oportunidades para projetos empresariais e de voluntariado que querem apoiar no centro de pesquisa.

A consequência imediata da crise foi uma certa mudança de atitude no cuidado com os idosos, que vemos refletido nos meios de comunicação audiovisuais e escritos, em séries e em um meio tão popular como o cinema. “É necessário consolidar essa mudança, não voltar aos velhos tempos e adotar as medidas e incentivos necessários para impulsionar a mudança de modelo na direção apontada”, destaca Fernández Palacios. “Espero que iniciativas como a da MAPFRE com a CIA, além de outras de natureza pública ou privada, contribuam para concretizar o que até o momento são, fundamentalmente, boas intenções”.

Contra o estigma de idade em relação aos idosos

Até agora, o envelhecimento da população, impulsionado pela combinação do aumento da longevidade e da diminuição das taxas de natalidade, tem sido considerado um fenômeno de consequências essencialmente negativas, devido ao seu impacto na sustentabilidade dos sistemas de previdência, de saúde e devido aos altos custos associados à prestação de cuidados de longo prazo. No entanto, a evidência é que o aumento da expectativa de vida vem acompanhado de uma melhora nas condições de saúde, físicas e intelectuais.

Juan Martín garante que a idade não deve ser um critério para determinar as funções que as pessoas devem desempenhar e, para quebrar qualquer padrão desse tipo, inclusive aquele que “com boa intenção” deseja colocar os idosos em um grupo separado, faz uma simples pergunta: Quais funções as pessoas com mais de 65 anos não podem desempenhar? Os idosos não devem, nem querem ser motivo de segmentação discriminatória, nem as vítimas de uma bondade exagerada e boba.

Assuntos pendentes

Diante da pressão dos riscos demográficos, econômicos e financeiros enfrentados por todos os sistemas previdenciários no mundo, o futuro da previdência é um dos maiores desafios enfrentados pelas sociedades, e é indispensável o debate e a reflexão dos governos em busca de medidas que tornem esses sistemas sustentáveis no futuro. De acordo com o recente relatório Sistemas de Previdência em uma perspectiva global da MAPFRE Economics e editado pela Fundación MAPFRE, a Europa Ocidental, junto com o Japão e a Coreia do Sul, são as regiões que sofrem maior pressão para a reforma dos seus modelos atuais. 

Fernández Palacios apela também para a necessidade de oferecer alternativas no plano individual, que ajudem na construção e manutenção da autoestima das pessoas em um processo de envelhecimento saudável e ativo, permitindo que se sintam protagonistas no futuro da sociedade.

‘Mentoring’ para um conhecimento fluido

Poucas vezes a humanidade viveu um período de mudanças tão profundas e abundantes como as que estão acontecendo atualmente. “A mudança faz parte da vida. Mudar e se adaptar é questão de sobrevivência”, destaca Martín.

A mudança afeta tudo. As empresas e a própria sociedade têm enormes desafios pela frente. “Conectar inovação e experiência; nos novos modelos de negócios, as coisas não dependem mais de uma pessoa cumprir uma tarefa específica, mas também da atuação programada e constante para que a transferência de conhecimentos se torne realidade, os espaços sejam abertos e flexíveis e o conhecimento flua”, explica o responsável pelo CENIE.

De acordo com os dados da Organização Mundial do Trabalho, em 2030, um quarto da população ativa mundial terá entre 55 e 64 anos. Além das limitações de determinadas atividades profissionais, a idade não está em conflito com a produtividade. “Inovar não é um papel apenas dos jovens, da mesma forma que analisar com bom senso e serenidade não é função exclusiva de quem tem longa maturidade”, defende Martín. “No entanto, o que diferencia ambas as extremidades do arco de idade é o número e a condição das circunstâncias vividas, tanto profissional quanto pessoalmente, o que se transforma em conhecimentos, aptidões e habilidades que devem fazer parte da cultura das empresas e cuja disseminação seria muito difícil de impedir. É hora de transformar esse patrimônio em um verdadeiro ativo profissional”, enfatiza.

O mentoring, uma prática comum na MAPFRE, tanto tradicional (ensinada pelos mais antigos) quanto inverso (ensinada pelos mais jovens) pode ser um dos caminhos mais recomendados. Historicamente, a figura do mentor tem sido um fator decisivo no exercício da aprendizagem: “Alguns conhecimentos só são alcançados com o decorrer dos anos, com a sábia consolidação de experiências pessoais e coletivas”, reflete Martín.

A figura clássica do professor e do aprendiz agora tem um novo sentido e, segundo ele mesmo prevê, na nossa contemporaneidade de constantes mudanças, “todos nós seremos ambas as figuras ao mesmo tempo e continuamente”.

Como se deu a criação do Centro de Pesquisa Ageingnomics 

Desde que, em 2015, a MAPFRE reconheceu a necessidade de uma aproximação positiva do fenômeno do aumento da longevidade, o Grupo vem desenvolvendo diferentes atividades, entre elas, eventos conjuntos com a escola de negócios Deusto Business School, que buscam analisar, junto com os protagonistas de indústrias e setores relevantes, as oportunidades oferecidas pelo novo ambiente socioeconômico marcado pela demografia. Antonio Huertas, presidente da MAPFRE, e Iñaki Ortega, professor da Universidade Internacional de La Rioja e do Conselho Consultivo da CIA, escreveram juntos A Revolução dos Grisalhos, onde compartilham uma visão otimista relacionada com o conceito ageingnomics sobre as oportunidades do aumento da expectativa de vida para o mundo. Em 2020, foi necessário dar continuidade a todas essas ações, precisamente de uma perspectiva sem fins lucrativos. Assim surgiu o Centro de Pesquisa Ageingnomics (CIA) sob o amparo da Fundación MAPFRE, para promover a conscientização sobre o potencial de contribuição da população sênior à sociedade, através da divulgação, pesquisa de novas formas de aproveitamento desse potencial e apoio a projetos empreendedores de impacto social.